FEIRA FARRA MESTIÇA

FEIRA FARRA MESTIÇA

Tempo de leitura: 3 minutos

A Feira Farra Mestiça chega com mais uma boa oportunidade de conhecer um lado histórico da cidade, o Morro da Conceição. Chegue mais para compartilhar uma breja gelada, música boa, marcas independentes, comida porno food, um pouquinho de arte e gente boa e o melhor de tudo. Aos músicos de plantão tragam seus instrumentos que a roda de música está aberta pra fazer barulho, chegue com seu cavaco, seu violão, o seu trompete, seu quatro venezuelano, sua caixinha de fósforos, sua voz, suas palmas, para dar ritmo a essa farra.

Coloque essa data na sua programação! Não perca a oportunidade de:

★ GANHAR UMA TATTOO
★ COMER EMPANADAS VEGANAS ARGENTINAS
★ EXPERIMENTAR O HAMBÚRGUER ARTESANAL DA NICE
★ ROUPAS ORIGINAIS DE DIFERENTES MARCAS
★ BRECHÁ
★ FAZER SUA CARICATURA
★ COMPARTILHAR MÚSICA ALTO ASTRAL
★ COMPRAR E ADMIRAR DESENHOS DE NOVOS ARTISTAS
★ BEBER UMA BREJA OU UNS BONS DRINK

O MORRO DA CONCEIÇÃO

Casario centenário, edificações coloniais, cadeiras postadas na calçada estreita e conversas nas janelas sem grades, interrompidas para comprar o pão quentinho do padeiro que passa. Pela descrição, muitos devem deduzir que estamos falando de alguma cidadezinha do interior, perdida no tempo. Mas o lugarejo está encravado em pleno coração do Rio, entre a Praça Mauá e as ruas Acre, da Conceição, Senador Pompeu e Sacadura Cabral.

Trata-se do Morro da Conceição, um dos recantos mais pitorescos da cidade, repleto de marcos arqueológicos e arquitetônicos que guardam um rol de histórias sobre o Rio. Afinal, integrou – junto com os morros do Castelo, de São Bento e de Santo Antônio – o quadrilátero que delimitava o perímetro urbano da cidade colonial. É uma joia urbanística ocultada pelos prédios altos da Avenida Rio Branco, que poucos cariocas conhecem, mas que muitos artistas já descobriram, dada a quantidade de ateliês localizados na Ladeira João Homem, uma das opções de subida do morro a pé.

Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan), o nome do lugar tem relação direta com a capela que a devota Maria Dantas construiu em 1634, em adoração à Nossa Senhora da Conceição. A partir dessa ermida, os padres capuchinhos ergueram um convento que, entre 1699 e 1702, foi reformado e ampliado pelo bispado do Rio para que se transformasse no Palácio Episcopal, ou seja, na residência oficial dos bispos da diocese.

Atualmente, a edificação abriga o Museu Cartográfico do Serviço Geográfico do Exército e pode ser visitado, gratuitamente, de segunda a sexta-feira. Em exposição, bússolas, lunetas e outros instrumentos, além de um raríssimo mapa do território brasileiro do século XVIII.

Nos fundos do Palácio Episcopal está a Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição, cuja construção foi iniciada em 1713, dois anos depois do episódio em que o Rio de Janeiro ficou cerca de 60 dias sob o domínio de corsários franceses. O forte foi erguido no mesmo lugar em que o chefe dos piratas, René Duguay-Trouin, instalou uma bateria de artilharia para ataque à cidade. Décadas depois, a fortificação também ganhou masmorras, para onde eram encaminhados os presos tidos como perigosos pelo governo colonial, a exemplo dos inconfidentes mineiros. Essas, contudo, são apenas algumas das 1001 histórias que o morro tem para contar.

Fonte: Multirio 

Seja um apoiador do Giro 0800 a partir de R$ 1,00 Clique aqui 

SERVIÇO

FEIRA FARRA MESTIÇA
Data: 08/04/2017
Local: Ladeira João Homem, 56
Morro da Conceição – Centro – RJ
Horário: 15 horas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.