BIQUINI CAVADÃO

Tempo de leitura: 4 minutos

Biquíni Cavadão surgiu em 1985, ainda em colégio, de Bruno Gouveia (vocal), Miguel Flores da Cunha (teclados), Sheik (baixo) e Álvaro Birita (bateria). Descobertos por Carlos Beni – ex-baterista do Kid Abelha – contaram com a ajuda de Herbert Vianna, dos Paralamas do Sucesso, na gravação de sua primeira música – “Tédio” – cuja execução na Rádio Fluminense FM lhes rendeu o primeiro disco na Polygram.

De Herbert também veio a sugestão do nome da banda e não demorou muito para eles completarem a formação com Carlos Coelho nas guitarras. Já no primeiro ano, “Tédio” se destacou entre as melhores canções de 85 e a banda ganhou prêmios como revelação.

O primeiro LP trouxe ainda mais participações especiais: Celso Blues Boy e Renato Russo abrilhantaram Cidades em Torrente, eleito um dos dez melhores discos de rock de 1986, e que ainda trazia sucessos como “Timidez“, “Múmias” e “No Mundo da Lua“.

Primeira banda a participar do célebre Projeto Pixinguinha, o grupo percorreu o Brasil de norte a sul em tournée, enquanto compunha seus novos trabalhos. “A Era da Incerteza”, lançado em 1987, chamou a atenção da crítica, enquanto Zé (89) apresentava um banda que amadurecia diante de seu público, expondo-os em letras sobre críticas sociais, confissões pessoais e uma certa apologia à pessoa comum.

Os anos 90

O Biquíni era uma banda essencialmente jovem dentro do Rock Nacional. Alçaram o estrelato com apenas 18 anos, mas dividiam histórias comuns a todos. Este poder de síntese e a capacidade de falar a língua do cidadão comum é que gerou seu quarto disco Descivilização. “Zé Ninguém” entrou nas rádios em momento delicado do país. Seu refrão acabou sendo usado nas ruas pelos estudantes que pediam a saída do presidente Collor.

Outras músicas do disco tocaram, como “Impossível” e “Cai Água, Cai Barraco“, mas foi “Vento Ventania” que consagrou a banda. A música foi mais a executada nas rádios em 1992. Ganharam novos prêmios, destaques e um convite para abrir show do Red Hot Chili Peppers no Hollywood Rock, em janeiro do ano seguinte. Os shows seguiram intensos por todo país.

Em pleno auge, mudaram-se para a Sony, lançam o quinto disco, Agora, e “Chove Chuva“, um clássico de Jorge Benjor, ganhou uma nova roupagem pela banda.

Sem nunca parar de dar shows, entre 1994 e 1998, os integrantes ainda tiveram tempo para investir em projetos pessoais, lançar um livro de partituras, apostar em estúdios de gravação, tocar nos Estados Unidos, produzir discos de diversos artistas – do rock ao erudito – e ingressar pioneiramente na Internet.

Com o primeiro email para contato dos fãs, primeiro site oficial de uma banda, fecham acordo com a UNISYS e lançam um CD que visava, já em 1998, a inclusão digital, contendo um kit de acesso à Grande Rede e uma faixa interativa. O nome do disco não poderia ser outro: biquini.com.br.

Lançado pela BMG, “Janaína” logo se destacou como novo hit, seguido de “Sabor do Sol”. As coletâneas com os maiores sucessos da banda também chegaram às cem mil cópias, e eles fizeram shows e apresentações em Portugal.

Imersos na tecnologia, gravam o disco seguinte com transmissão de fotos diretamente do estúdio, além de incluírem um diário de todo o processo – isto quase 5 anos antes de alguém falar em blog, fotolog ou redes sociais. “Escuta Aqui“, que teve apoio da Apple, trouxe mais uma faixa interativa, sucessos como “Quando Eu Te Encontrar“, “Você Existe, Eu Sei” e a faixa título. Neste ano, completaram mil shows mas tiveram sua primeira baixa. Sheik, o baixista, saiu no fim de 2000.

Novos Rumos, Novo Milênio
Reduzidos ao um quarteto, em 2001, o Biquíni voltou para a Universal, participaram do Rock In Rio III e lançaram um disco interpretando sucessos de seus amigos e contemporâneos da década de 80.

As versões da banda para “Carta Aos Missionários” e “Toda Forma de Poder” do disco 80 ganharam força nos palcos, mas foi “Múmias“, do próprio Biquíni, que voltou com tudo nas rádios. A canção trazia a voz original de Renato Russo (falecido há cinco anos) em novo arranjo da banda para os versos “Esperamos pela vida, vivendo só de guerra” tomou de assalto as rádios, coincidentemente na época dos ataques de 11 de Setembro.

Com uma formação diferente no palco, incluindo metais, o grupo foi gradativamente aumentando sua força nos shows pelo país. Uma nova geração veio a descobrir o Biquíni Cavadão, especialmente aquela que ia aos grandes festivais: gente que muitas vezes nem era nascida quando a banda surgiu, mas que descobriu que sabia de cor as canções antigas (embaladas por pais, tios, primos mais velhos).

Seja um apoiador do Giro 0800 a partir de R$ 1,00, conheça o projeto CLIQUE AQUI 

Conheça o nosso canal no Telegram, se inscreva totalmente grátis EU QUERO 

SERVIÇO

BIQUÍNI CAVADÃO
Data: 27/01/2018
Local: Shopping Downtown
Endereço: Av. das Américas, 500
Barra da Tijuca – Rio de janeiro – RJ
Horário: 19 horas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *